por aqui

Quinta-feira

17h30. Saio do trabalho mais cedo por causa de uma gripe que começa a me atacar. Vou andando pela estação do metrô pensando em tudo que tinha que fazer hoje e acabei esquecendo, nas contas que ainda não paguei, no mercado que não fui e, principalmente no shampoo que vai acabar. Agora já era. O metrô chegou (e não tem lugar pra sentar).

18h20. Central do Brasil. Lotada. Hora da pressa. Todo mundo quer ir pra casa. Entre um trem que para e o empurra-empurra de sempre dá pra ver um pedacinho de pôr do sol. O dia ta puxado mas termina com um belo prêmio de consolação para os sobreviventes. Não vai dar pra fotografar. Meu trem vai sair.

19h30. Finalmente vejo meu ponto da janela do ônibus. Ele vai parar em frente à farmácia. Queria entrar e comprar shampoo, mas almocei sopa, lanchei iogurte e frutas e só consigo pensar no que tem pra comer em casa. De estômago vazio não da pra tomar nenhuma decisão tão definitiva quanto o shampoo que vai determinar o comportamento do seu cabelo pelos próximos 30 dias.

Não importa mais. Já to subindo minha rua. E o shampoo vai ficar pra outro dia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s